Gestão Financeira

Muitas pessoas tem o desejo de empreender, mas não sabem como administrar uma pequena empresa.

Por este motivo queremos compartilhar com você alguns pontos essenciais sobre administração.

Continue lendo e entenda:

  • O que é Administração de empresa.
  • A importância da administração de empresa.
  • Como realizar uma boa administração.

Lembrando que ter um suporte para começar é sempre bom, por isso invista em uma consultoria de gestão para te dar orientações.

 

O que é Administração de empresa!

A administração de empresa é responsável basicamente por gerenciar todo o funcionamento da empresa.

O principal objetivo é fazer com que a empresa atinja suas metas, tenha uma boa saúde financeira para honrar com os seus pagamentos e, o mais importante, tenha lucro.

No caso de uma pequena empresa não é diferente, a administração é fundamental para ter sucesso nos negócios.

 

A importância da administração de empresas!

Diferente de médias e grandes empresas, as pequenas tem poucos recursos e, por isto, é importante ter uma boa gestão.

Saber onde e como focar os recursos é a diferença entre a falência e o sucesso.

Por este motivo a administração é importante, para alocar bem todos os recursos da empresa.

Além disto, sem uma boa gestão, o seu negócio não terá um funcionamento adequado e causará prejuízos financeiros.

Assim, influenciando diretamente na qualidade de vida do empreendedor e também na vida dos funcionários.

 

Como realizar uma boa administração!

Para começar, é importante ter registro de todos os custos da empresa.

Desde a energia utilizada até os produtos de limpeza, ter histórico é importante para saber quais ações tomar.

Em seguida, é importante ter metas e definir estratégias para alcançar estas metas.

Pois sem as metas a empresa ficará refém de desejos momentâneos e sem um objetivo definido, sem saber onde deve investir seus recursos.

Além disto, é importante desenvolver alguns documentos para facilitar a administração, como por exemplo:

POP – (Procedimento Operacional Padrão): Responsável por descrever como cada procedimento deve ser realizado, padronizando o funcionamento da empresa como um todo, para mais detalhes leia aqui.

DRE – (Demonstrativo de Resultados): Responsável por descrever os movimentos financeiros da empresa em um determinado período, para mais detalhes leia aqui.

Meta Smart – (Meta Inteligente): Responsável por guiar as ações de todos os envolvidos com foco na obtenção de um resultado prático, para mais detalhes leia aqui.

Todos estes documentos ajudam a controlar melhor o funcionamento da empresa e poupam tempo para desenvolver outras atividades.

É importante também que o empreendedor saiba como calcular o capital de giro para saber como andam as finanças da empresa.

E claro, não podemos deixar passar batido, é fundamental que o empreendedor elabore e atualize regularmente o Fluxo de Caixa, a fim de que acompanhe as entradas e saídas financeiras da empresa.

 

Como administrar uma pequena empresa?

Finalizando…

Como foi possível notar no decorrer do artigo, empreender não é uma tarefa complicada, mas é necessária apenas dedicação e esforço inteligente.

De qualquer modo, se ainda se sentir inseguro em relação a sua administração, procure uma empresa experiente em gestão financeira para te ajudar no começo.

 

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.
Caso tenha alguma dúvida sobre este tema deixe nos comentários, pois estamos à disposição para responder e ajudar.

 

Além de vender e conseguir maior lucratividade é importante entender o funcionamento da empresa e focar em reduzir despesas operacionais.

Pode parecer algo óbvio de se pensar, porém há muitas empresas que ainda pecam neste sentido.

Por mais que a eficiência seja um tema recorrente nas discussões do meio corporativo, a redução das despesas operacionais é pouco abordada.

 

Continue lendo e entenda:

  • O que são despesas operacionais?
  • Como calcular as despesas operacionais?
  • Como reduzir despesas operacionais?

É importante lembrar que investir em gestão financeira é sempre o melhor caminho para atingir uma maior eficiência na sua empresa.

 

O que são despesas operacionais?

As despesas operacionais são aquelas ligadas ao funcionamento interno da empresa.

Portanto, podemos identificar as despesas operacionais como aquelas responsáveis por manter o funcionamento da empresa no dia-a-dia.

Por exemplo, podemos citar como despesas operacionais: aluguel, água, luz, telefone, internet, funcionários.

Diferente dos custos estratégicos que estão diretamente ligados à estratégia de lucratividade da empresa, que muda de acordo a estratégia adotada em um período com uma finalidade.

No artigo sobre como dobrar o lucro em seis meses abordamos mais esta diferença, recomendamos a leitura.

 

Como calcular as despesas operacionais?

Em geral, o cálculo das despesas operacionais é realizado a partir de um histórico de gastos.

Devido a isto é importante ter um registro organizado do quanto foi gasto em cada elemento para poder realizar o cálculo.

Para tanto, é usado o valor dos gastos dos meses anteriores para calcular uma média, que será usada como referência.

 

A fórmula ficará da seguinte forma:

 

Média de Despesa operacional = (Total das despesas / Numero de meses)

Você poderá calcular separadamente cada item, como também pode realizar uma média geral.

Vale ressaltar que neste cálculo não estamos levando em consideração os custos estratégicos que mudam de acordo com as vendas, como por exemplo, marketing.

 

Como reduzir despesas operacionais?

Para você realizar uma redução das despesas operacionais é importante entender o funcionamento da sua empresa.

Entender qual produto pode ser substituído por um produto mais barato, por exemplo, no caso dos produtos de limpeza.

Outro fator importante é identificar desperdícios em todos os setores e evitá-los, como uso indiscriminado de recursos no ambiente de trabalho.

Além disto, você poderá analisar a possibilidade de terceirizar algumas atividades, diminuindo os gastos no escritório.

Para concluir, revise todos os itens das despesas operacionais e estabeleça metas de economia para os colaboradores.

Motivando um uso racional dos recursos da empresa, evitando desperdícios.

 

Agora é a sua hora de calcular e reduzir despesas operacionais!

Como foi possível notar durante o artigo, a redução das despesas operacionais é essencial para atingir a excelência e maior lucratividade.

Além de realizar mais vendas é importante ter uma política de uso racional dos recursos para um funcionamento eficiente.

 

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.
Caso tenha alguma dúvida sobre este tema deixe nos comentários, pois estamos à disposição para responder e ajudar.

Se você tem uma empresa e deseja melhorar a produtividade como um todo, você deve investir em otimização de processos.

Tornar a sua empresa cada vez mais eficiente em cada processo pode levar a uma grande economia de recursos e , consequentemente, o aumento de faturamento.

Logo, por consequência sua lucratividade também será maior.

 

Continue lendo e entenda:

  • O que é otimização de processos?
  • Como otimizar processos?

 

É importante lembrar que o objetivo de qualquer empresa é solucionar um problema e assim gerar lucro, como você pode ler aqui.

 

O que é otimização de processos?

 

O conceito de otimização de processos surgiu exatamente para fazer o que o nome diz, otimizar os processos da empresa.

Desde a compra de matéria-prima até a entrega do produto ou realização do pós-venda.

Mas para que sua empresa seja capaz de aumentar o faturamento e o lucro, é necessário ajustar cada setor com este objetivo.

Como consumir menos recursos e gerar o máximo de rentabilidade.

Para tanto, é necessário entender o que é Procedimento Operacional Padrão e sua aplicação dentro da empresa.

Em resumo, o POP existe para orientar os funcionários sobre suas atividades com uma série de informações importantes a fim de que os processos sejam realizados corretamente.

Evitando que cada processo seja realizado de uma maneira diferente a cada vez, a fim de que seja padronizado e previsível.

Tendo isto em mente, é possível observar o funcionamento da empresa.

Assim como entender quais os pontos podem ser melhorados, com base em informações experimentais.

 

Como otimizar processos?

 

Para você realizar a otimização de processos, comece entendendo o procedimento operacional padrão de cada setor e verifique se é possível reduzir etapas em cada um deles.

Assim você economiza tempo e atenção do funcionário naquela atividade especifica, liberando-o para realizar outras atividades.

Além disto, verifique se há algum espaço para cortes no uso de recursos da empresa, por meio dos processos já analisados.

Em muitos casos é possível reduzir bastante os custos operacionais. Faz-se isso apenas analisando o funcionamento da empresa com dados coletados durante alguns meses.

Procure também novas formas de realizar a mesma atividade que possa significar em economia de algum modo.

Outra forma de otimizar processos é investindo em treinamento.

Investir em treinamento e qualificação pode parecer pouco intuitivo, mas pode significar um aumento da produtividade e economia de tempo.

Logo, ter funcionários qualificados e com conhecimento das tecnologias mais atuais pode gerar um resultado significativo.

Tanto da produtividade, quanto da performance na realização dos processos diários.

Outro fator importante para otimizar os processos é a realização de avaliação por desempenho dos funcionários.

Premiando sempre que possível aqueles que tiverem melhor desempenho nas suas atividades.

Assim como requalificar ou demitir aqueles que estão abaixo do esperado.

Com está ação, você empreendedor deixará claro que a meritocracia é importante dentro da empresa e conseguirá maior empenho na execução dos processos da empresa.

 

Para Finalizar!

 

Como foi possível notar durante o artigo, a otimização de processos existe para melhorar a performance da empresa e maximizar o lucro.

Se você deseja melhorar a empresa em cada etapa é possível encontrar meios através do procedimento operacional padrão.

Caso não esteja familiarizado com este termo, recomendamos a leitura deste artigo, clique aqui.

 

 

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.
Caso tenha alguma dúvida sobre este tema deixe nos comentários, estamos à disposição para responder e ajudar.

 

Para que sua empresa possa crescer no longo prazo, além de vender é necessário saber como realizar a gestão de clientes.

A gestão de clientes eficiente é aquela capaz de entender o fluxo do cliente dentro da empresa, assim como gerenciar este fluxo para ter previsibilidade nas vendas e aumentar a lucratividade.

Continue lendo:                            

  • Por que realizar gestão de clientes?
  • Como realizar gestão de clientes?
  • Dica extra: Enxergue as melhores oportunidades!

Vale ressaltar que não há apenas uma forma de realizar a gestão de clientes, visto que diversas empresas têm modelos diferentes de negócio.

 

Por que realizar gestão de clientes?

 

Ter uma boa estratégia de atração de novos clientes é fundamental para uma empresa.

Realizar vendas movimenta de forma saudável e sustentável o funcionamento operacional, e gera lucros.

Porém, não basta atrair novos clientes, também é importante conseguir reter os clientes.

Por isso, é relevante saber realizar uma gestão de clientes eficiente, para manter os clientes consumindo.

Além disto, manter um cliente consumindo é mais barato do que atrair novos clientes, impactando assim diretamente no custo operacional, se levarmos em conta o custo de aquisição.

 

Como realizar gestão de clientes?

 

Agora que já entendemos que reter o cliente consumindo na empresa é mais barato, precisamos entender como fazer isto.

O primeiro passo é acompanhar a carteira de clientes e verificar quais deles estão deixando de positivar.

Este passo não pode ser delegado somente aos vendedores responsáveis, mas os gestores devem ficar atentos também.

Verifique periodicamente a carteira de clientes para entender o comportamento de compra dos clientes e tomar suas decisões.

Além disto, para gerir, você pode ir alimentando uma planilha mês a mês, notificando que determinado cliente está inativo.

Outro passo relevante é a criação de programas de fidelização para aumentar a permanência dos clientes na empresa, além de reter os clientes estes programas podem aumentar as vendas.

Você pode até mesmo mesclar o programa de fidelização com indicações para ter ainda mais vantagens.

Uma dica importante é focar nos produtos e clientes mais lucrativos, tão como dar vantagens para que eles possam consumir mais.

Outro ponto importante é focar em um bom relacionamento pós-venda, para que o cliente fique satisfeito e continue comprando.

Para tanto dê atenção especial também após realizar uma compra, entrando em contato e realizando pesquisa de satisfação.

Saber o grau de satisfação e manter contato próximo deixará o cliente mais confiante em continuar comprando e adquirindo novos serviços e produtos.

Seguindo estes passos você com certeza terá uma gestão de clientes eficiente e assim terá resultados muito mais satisfatórios.

 

Dica extra: Enxergue as melhores oportunidades!

 

Além de seguir os passos anteriores é muito importante focar nas metas de ativação, positivação e extensão de mix.

Não deixe o setor comercial focado em apenas adquirir novos clientes e bater metas de vendas.

Por este motivo, oriente os vendedores para identificar as melhores oportunidade e oferecer produtos adicionais para clientes engajados.

Para aqueles clientes que já demonstram interesse em algo, adicionando ao produto já adquirido um novo produto e que pode aumentar sua lucratividade.

 

Para Concluir!

 

Como foi possível notar durante este artigo a gestão de cliente é uma ótima forma de aumentar a lucratividade da empresa.

Primeiro seguindo uma serie de passos para manter a carteira de clientes ativos e consumindo e focando nas melhores oportunidades.

Além do setor de vendas, suporte e marketing que estão em contato com o cliente diretamente os líderes e gestores precisam focar na gestão de clientes, para que toda a empresa possa ganhar.

 

Leia também nossos artigos do mês de Abril:

 

 

Se você gostou deste conteúdo lembre-se de compartilhar com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Caso tenha alguma dúvida sobre o tema deixe nos comentários, pois estamos à disposição para responder e ajudar.

Neste artigo vamos explicar melhor o que é e como funciona a gestão por resultados, para que você possa colocar em prática na sua empresa.

Você já deve ter passado pela fase onde você e sua equipe trabalharam muitas horas e mesmo assim tiveram poucos resultados.

É comum perceber que mesmo com todos os esforços os resultados não aparecem, conforme acontece por inúmeros fatores.

O principal deles é a falta de foco e clareza sobre o que deve ou não ser priorizado.

Por esse motivo continue lendo e entenda:

  • O que é gestão por resultados;
  • Como aplicar gestão por resultados.

 

O que é gestão por resultados?

 

A gestão por resultados é um modelo que visa focar em obter os resultados definidos pela empresa e não nos processos em si.

Todas as empresas têm o objetivo de resolver um problema do cliente e obter lucro.

Assim, com base neste preceito, o foco sempre deve ser o resultado.

Ao focar nas metas e objetivos, você perceberá que é necessário melhorar a eficiência da sua equipe na produção, assim como a dos líderes na motivação da equipe.

 

*Veja nosso artigo sobre META S.M.A.R.T para aprender como definir metas e objetivos inteligentes.

 

De modo que os processos da empresa devem ser reavaliados para entender sua real necessidade dentro da organização.

Todas as atividades devem ter o objetivo de gerar um alto desempenho.

Sendo assim, as horas de trabalho, as atividades executadas e reuniões realizadas podem ser diminuídas.

Logo, gerando maior economia dentro da empresa.

Neste modelo também é possível notar significativamente a melhora da comunicação entre todos os colaboradores a fim de que tenha maior clareza dos valores da empresa.

Agora que já entendemos o que é gestão por resultados, precisamos entender como colocá-la em prática.

 

Como aplicar gestão por resultados?

 

Como já foi explicado anteriormente, o importante é atingir os resultados definidos pela empresa.

Além disso, é importante deixar claro quais são os seus valores.

Para tanto, é necessário realizar uma série de mudanças dentro da empresa.

 

Como, por exemplo:                                                                                     

  • Reavaliar os objetivos e metas da empresa;
  • Entender os processos e simplificá-los;
  • Reduzir as reuniões e focar em pequenas iterações com a equipe;
  • Motivar os colaboradores e recompensá-los.

 

Partindo destes pontos, a sua empresa pode alcançar muito mais resultados, fazendo menos esforço do que antes.

Ao focar nos processos, a sua empresa fica estagnada em pensar sempre da mesma forma e não valoriza o que pode ser melhorado.

Simplesmente repetindo os modelos já existentes e não incentivando a inovação para redução de custos e aumento do faturamento.

No entanto, ao adotar o modelo de gestão por resultados, o foco será entregar o que é prometido aos clientes e deixá-los satisfeitos.

No mesmo passo que os funcionários poderão ser motivados e recompensados por seu desempenho.

Gerando assim um fator que servirá de exemplo para outros colaboradores.

Para tanto, é essencial que se invista em treinamento para líderes que saibam gerir os colaboradores, que sejam empáticos e consigam deixar claro como cada um pode contribuir na empresa.

 

Para Concluir…

 

Se você realmente deseja se destacar no momento atual e quer atingir seus objetivos reduzindo significativamente os custos da empresa foque nos resultados.

Há diversas formas de se alcançar as metas, e, com toda certeza, existe sempre uma forma mais eficiente e enxuta.

Por este motivo, procure atualizar toda a sua empresa.

Melhorando os processos, a comunicação entre os colaboradores e testando novas ferramentas.

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com os seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Caso tenha o interesse de aplicar este modelo de gestão na sua empresa entre em contato conosco, estamos à disposição para ajudar.

Este artigo tem como objetivo ajudar você, empreendedor, para que dobre seus lucros em seis meses ou menos, baseado nas ideias de Bob Fifer.

Se você tem a ambição de crescer e desenvolver seu negócio este conteúdo será muito importante.

Lembrando que qualquer esforço sem nenhuma estratégia trará poucos resultados para você e seu empreendimento.

Continue lendo e entenda:

  • O propósito de todas as empresas lucrativas;
  • 3 conceitos de uma cultura forte;
  • Custo estratégico e Custo não-estratégico;
  • 4 problemas que geram prejuízo;
  • 3 conselhos para diminuir despesas;
  • Por que manter os recursos humanos escassos;
  • Aumente suas receitas com mais vendas.

É importante ressaltar que muitas empresas não conseguem ser lucrativas por simplesmente não ter foco no que é melhor para a própria empresa!

 

O propósito de todas as empresas lucrativas!

 

Quando perguntamos a um empreendedor qual o propósito da sua empresa aparecem diversas respostas.

Entre elas: gerar bem-estar coletivo, gerar receita, ou até mesmo garantir rendimentos para seus acionistas.

A grande verdade é que o propósito de uma empresa lucrativa é gerar lucro, simples assim.

Porque não adianta sua empresa gerar um grande volume em receita se pouco disto se converte em lucro de fato.

Isto é, o propósito de uma empresa lucrativa é o próprio lucro, e para tanto, é preciso ter uma cultura forte que ressalte este propósito.

 

3 conceitos de uma cultura forte!

 

É importante deixar claro para todos na empresa que a meta é ser excelente em tudo o que fazem.

Primeiro, comece não se igualando a média do mercado, pois isto não é o bastante para aumentar os seus lucros.

Por isso foque em resultados práticos e não em esforço pelo esforço.

Segundo, acompanhe e recompense os funcionários que tiverem resultados, e mostre que a meritocracia é um valor importante.

Assim, entre os medíocres e os bons, escolha sempre os bons.

Terceiro, lembre-se que lucrar é bom e saudável para sua empresa, pois, o lucro é a medida de resultado e financia todo o seu crescimento.

Além de saber qual o seu propósito e ter uma cultura forte é importante entender quais os custos da sua empresa.

 

Custo estratégico e Custo não-estratégico! Entendimento essencial para que você dobre seus lucros.

 

Existe uma diferença prática entre os tipos de custos que uma empresa tem.

Uma vez que os custos estratégicos são aqueles que são investidos para ter um retorno direto em mais vendas, receita e lucros.

Os custos não-estratégicos são aqueles que não geram resultados diretos, mas estão ligados a manutenção da empresa.

Para citar um exemplo: a cadeira na sala de reunião; comprar uma nova não fará diferença nos resultados da empresa. Por outro lado, investir o mesmo valor em anúncios para vender um produto trazem resultados.

Bons gestores procuram focar em investir nos custos estratégicos, durante as fases boas e até em meio as crises.

Já os custos não-estratégicos devem ser eliminados ao máximo, assim como a falta de eficiência dentro da empresa.

 

4 problemas que geram prejuízo!

 

Além de prejudicar o funcionamento da empresa, a falta de eficiência também gera prejuízo.

O primeiro problema é pensar demais e agir pouco. Tão que os bons gestores são mais intuitivos e procuram tomar decisões mesmo que tenham poucas informações.

O segundo problema é não saber delegar. Por isso é importante procurar um equilíbrio na hora de delegar tarefas.

Delegar demais pode travar o funcionamento da empresa e o contrário também é valido, onde delegar pouco pode travar a produtividade.

Procure delegar funções e tarefas na medida certa.

O terceiro problema é oferecer tudo aos clientes.

Portanto, procure ofertar aquilo pelo qual o cliente está disposto a pagar, uma vez que satisfaça as necessidades dele sem comprometer a lucratividade da empresa.

O quarto problema é a lentidão dos processos.

Para ser excelente na execução procure focar em estabelecer prazos escassos e uma cultura de urgência na empresa.

Agora, tão importante quanto evitar as despesas é reduzi-las.

 

3 conselhos para diminuir despesas!

 

Primeiro, comece percebendo que não existem despesas que não podem ser cortadas.

Assim como ter um orçamento fixo e pouco flexível pode prejudicar a sua empresa.

Segundo, faça os cortes e depois pergunte. Se você perguntar aos gestores o que pode ou não ser cortado, muita coisa desnecessária será vista como essencial.

Faça os cortes que achar necessário, e caso seja realmente essencial restabeleça alguns custos. Desta forma, o que for desnecessário será cortado.

Terceiro, faça todas as compras passarem por um gestor.

Quando o funcionário precisa pedir aprovação para uma compra ele mesmo evitará gastar mais do que o essencial e necessário.

Ninguém gosta de ficar pedindo permissão, por este motivo você terá certeza de que não haverá desperdícios no momento de comprar.

Assim como os recursos materiais podem trazer prejuízo para empresa os recursos humanos também.

 

Por que manter os recursos humanos escassos!

 

Os recursos humanos também são uma grande fonte de despesas, e por este motivo é sempre relevante ficar de olho na eficiência dos funcionários.

Ter um quadro grande de funcionários em funções não-estratégicas pode parecer legal para apresentar aos amigos e familiares, mas não é bom para a lucratividade da empresa.

Se você não costuma despedir funcionários sua empresa terá problemas. Portanto, lembre-se da meritocracia que já abordamos neste artigo.

Comece a realizar cortes nos recursos humanos, primeiro naqueles que executam funções não-estratégicas e que tem o pior desempenho.

Assim, os outros funcionários ficarão mais motivados a produzir e mostrar resultados.

Tudo isto será bom para a empresa como um todo.

Dentro de uma empresa com cultura forte somente a excelência é aceitável.

Deixe isto bem claro para todos os funcionários e dê o exemplo despedindo aqueles que estão abaixo do padrão esperado.

Somente cortar custos não é bastante para dobrar os lucros.

É necessário também aumentar suas receitas.

 

Aumente suas receitas com mais vendas e dobre seus lucros!

 

Para aumentar a sua receita é imprescindível aumentar as vendas.

Por este motivo, procure contratar bons vendedores e oferecer produtos e serviços nos quais você confia de verdade.

Se por algum motivo o cliente perceber que você ou seus vendedores não estão confiantes em relação à venda eles não compram.

Treine seus vendedores para que eles consigam passar o máximo de confiança no momento de realizar as vendas de modo que aumente a receita da empresa.

Além disto, é importante criar conexão com os clientes demonstrando o sentimento de empatia, se colocando no lugar do outro e enxergando o problema como ele vê.

E o mais importante é tirar todas as dúvidas necessárias para realizar a venda, pois, se o cliente tiver dúvidas ele não finaliza a compra.

 

Para Concluir, Dobre seus lucros em seis meses ou menos…

 

Como você pode perceber ao longo do artigo “Dobre seus lucros em seis meses ou menos”, baseado no livro do Bob Fifer, é realmente possível dobrar seus lucros.

Para isso você precisará realizar um esforço em ter uma boa cultura empresarial focada na excelência e também realizar ações práticas.

Além disso, é importante cortar ao máximo todo tipo de custos e ineficiência que possam ocorrer e aumentar as vendas e sua lucratividade.

 

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no WhatsApp.

Leia o artigo “CONSULTORIA EMPRESARIAL: 5 BONS MOTIVOS PARA CONTRATAR EM 2019” e entenda porque você deve investir em uma consultoria empresarial para alavancar o seu negócio.

Caso tenha alguma dúvida sobre o tema deixe nos comentários, estamos à disposição para responder e ajudar.

Pode parecer complicado e muito desafiador, porém, aprender como calcular o capital de giro é essencial para a sua empresa ter saúde financeira.

Exatamente por este motivo, nós decidimos compartilhar com você uma forma de calcular o capital necessário para operação do seu negócio.

Contudo, primeiro é importante entender a real necessidade do capital de giro.

 

O que é capital de giro?

 

O capital de giro é uma reserva de capital necessário para manter as funções básicas da empresa.

Ou seja, essa reserva de capital permitirá que a empresa opere normalmente.

Podemos incluir principalmente os custos de infraestrutura como, por exemplo: água, luz, aluguel, internet, etc.

Não só esses custos, mas também leva-se em conta também o pagamento dos funcionários e fornecedores.

Diferente de outras reservas financeiras que também podem ser investidas, o capital de giro deve estar disponível sempre que houver despesas a serem pagas.

Há uma diferença básica entre o capital de giro e o capital de giro líquido.

O capital de giro é o total necessário para manter a empresa funcionando.

Já o capital de giro líquido diz respeito ao total que você tem disponível em conta.

 

Como calcular o capital de giro?

 

O capital de giro é exatamente o mesmo valor da soma de todas as despesas essenciais da empresa, assim como já mencionamos anteriormente: infraestrutura, funcionários e fornecedores.

Já o capital de giro líquido é calculado com base no valor disponível em conta para o pagamento das despesas.

 

A fórmula é exatamente assim:

 

Capital de Giro Líquido = (Ativos Circulantes) – (Passivos Circulantes).

Os ativos circulantes são basicamente o valor que já tem disponível, bem como o valor que tem previsto para receber.

Os passivos circulantes são as despesas previstas para o período que está calculando.

Assim, sabendo estes dois valores, é possível calcular o capital de giro líquido.

Além de saber quanto será necessário acrescentar de tal forma que mantenha a empresa funcionando, no caso em que as despesas forem maiores do que a receita atual e prevista.

 

Para Concluir…

 

É importante manter a saúde financeira da sua empresa em dia.

Por este motivo, sempre calcule o capital de giro e saiba exatamente o que precisa pagar e quanto tem para receber.

Além de ter com você o fluxo de caixa para organizar todas as entradas e saída de recursos financeiros.

Você também pode elaborar um DRE para entender melhor o estado atual da sua empresa e planejar ações futuras baseado no histórico.

Se você tem alguma dúvida sobre este tema deixe nos comentários, estamos a disposição para responder e ajudar.

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Além de realizar vendas e gerenciar a parte financeira da empresa, é igualmente importante fazer a gestão de estoque.

É muito mais do que ter um controle do que a empresa tem ou não armazenado.

A gestão de estoque pode contribuir para economia da empresa e sua saúde financeira.

Ao passo que qualquer desperdício por falta de controle e gestão pode ser um grande prejuízo para o negócio.

Por este motivo, é importante entender o que é a gestão de estoque e como aplicar de forma eficiente na sua empresa.

O que é Gestão de Estoque?

É popularmente conhecida como controle de inventário ou almoxarifado.

A gestão de estoque é a regulagem dos insumos que serão utilizados pela empresa na sua produção.

Além de manter um controle informatizado, a gestão zela para que exista uma eficiência na compra, armazenamento e uso dos insumos.

Este controle é fundamental para melhorar o desempenho financeiro da empresa, evitando desperdício e compras desnecessárias.

É importante lembrar que a experiência do usuário final com a empresa não pode ser prejudicada, evitando assim a compra de materiais sem qualidade ou armazenamento incorreto que possam comprometer a usabilidade.

Também é necessário ter estas informações disponíveis sempre que necessário para a contabilidade da empresa ou algum quesito legal.

Como realizar uma gestão de estoque eficiente?

Pode parecer simples o processo de controle do que entra e sai do inventário, mas há muitos fatores que podem comprometer a eficiência do seu estoque.

Por esta razão, é necessário seguir alguns passos importante para ser realmente eficiente.

Comece realizando o acompanhamento de toda a cadeia de suprimentos da sua empresa.

Você pode fazer isso por um software ou por aplicativos no próprio smartphone.

Nos dias atuais, é possível saber onde determinado pacote está e você poderá antever possíveis problemas na entrega e resolver rapidamente.

Em seguida, procure identificar pontos de ineficiência dentro do armazém da empresa que podem comprometer sua produtividade.

Eliminando qualquer tipo de problema que possa diminuir a vida útil dos suprimentos ou comprometer sua integridade, como por exemplo:

  • Data de validade, ambiente com temperatura incorreta ou com infiltrações.

Invista também na criação de um processo de compra que leve em consideração as necessidades da empresa e sua demanda.

Caso tenha um modelo de negócio sazonal, planeje a compra maior ou menor de acordo com a sazonalidade para evitar perca de insumos por compra excessiva.

Se tiver dúvida sobre como implementar este tipo de ação, leia nosso artigo sobre Procedimento Operacional Padrão.

Em resumo, acompanhe as compras de insumos, elimine possíveis pontos de ineficiência, planeje de acordo com a demanda da empresa.

Além disso é importante ter um processo claro para compra, armazenamento e uso dos suprimentos.

 

 

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Caso tenha alguma dúvida a respeito deste tema deixe nos comentários, estamos à disposição para responder e ajudar.

Empresários novatos e até mesmo empresários com mais experiência cometem erros, por isso, hoje vamos falar dos 3 principais erros de pequenas empresas.

A melhor parte de conhecer os principais erros é aprender a lidar com eles e evita-los quando necessário.

 

Continue lendo e entenda:

  • Os 3 principais erros de pequenas empresas;
  • As 3 principais soluções;
  • Dica Extra: Como evitar problemas previamente;

 

Lembrando que mesmo tendo cometido alguns dos 3 principais erros você pode solucionar o seu caso.

Uma vez que isso te permitirá também aprender muito com o ocorrido.

 

Os 3 principais erros de pequenas empresas!

O primeiro grande erro de pequenas empresas é a falta de documentação das suas atividades.

É comum encontrar micro e pequenas empresas que, ao começar as atividades, não tem a menor noção de que precisam registrar as movimentações.

O segundo grande erro de pequenas empresas é a falta de planejamento das ações.

Pode parecer estranho, mas muitos empresários praticam a célebre frase da música do Zeca Pagodinho: “Deixa a vida me levar”.

Sem a menor compreensão de como definir uma meta, como planejar ações ou organizar as atividades a fim de que atinja um objetivo futuro.

O terceiro grande erro das empresas é cometido por empresários com vidas atribuladas.

No caso, misturam finanças pessoais com as finanças da empresa.

Sendo assim necessário muitas vezes pegar empréstimos para fechar as contas da empresa.

Bem como acabam criando uma bola de neve financeira.

Agora que já sabemos os 3 principais erros de pequenas empresas, vamos focar na solução para cada caso.

 

As 3 principais soluções!

Entenda a sua empresa e registre todas as atividades possíveis e toda a movimentação.

Este é o primeiro passo para você ter o mínimo controle do seu negócio.

Após registrar tudo, invista algum tempo para planejar os próximos meses da sua empresa, posto que o foco deve ser em um resultado que deseja alcançar.

Defina uma grande meta, depois quebre em objetivos menores e, por final, quais atividades são necessárias para atingir cada objetivo.

Assim você terá um mapa até o seu pote de ouro, que pode ser uma empresa operando no azul ou ter mais lucro no final do período que você definir.

O mais importante é procurar não confundir as finanças pessoais com as finanças da empresa.

Logo, tenha um pró-labore, ou seja, uma quantidade fixa que você receberá por mês da sua própria empresa, como uma espécie de salário.

Você pode aumentar ou diminuir o valor de acordo com a lucratividade, mas procure ser equilibrado e não gastar mais do que pode pagar, principalmente no começo.

Lembrando que quanto mais você investir na sua empresa para gerar resultados, mais você poderá receber no futuro.

Seguindo estes passos você estará evitando boa parte da dor de cabeça de empresários iniciantes e até experientes.

 

Dica Extra: Como evitar problemas previamente!

Para você evitar problemas com antecedência é importante entender muito bem sobre o funcionamento de uma empresa.

Por isso é importante que você procure se educar cada vez mais sobre seu modelo de negócios e pesquisar histórias de empreendedores como você.

Aprenda mais lendo também o nosso artigo sobre GESTÃO DE RISCO.

Conhecendo a história de outras pessoas você poderá tirar ótimas lições do que pode acontecer de ruim e conseguir evitar.

Além disto, você pode contratar uma empresa focada em gestão de finanças para ajudar você a identificar todos os erros que está cometendo e também auxiliar no planejamento e treinamento.

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com os amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Caso tenha alguma dúvida deixe nos comentários, pois estamos à disposição para responder e ajudar.

Uma das principais funções de um empreendedor de sucesso é definir metas inteligentes, e por esse motivo vamos explicar um pouco sobre meta smart.

A meta é um parâmetro usado para direcionar as ações da empresa, uma vez que define um foco de atuação e diminui a confusão do que deve ou não ser feito.

Continue lendo e entenda:

  • O que é meta smart;
  • Como definir uma meta smart;
  • Exemplo de meta smart;

Lembrando que há diversas formas de definir uma meta, contudo, até o momento, a meta smart é a forma mais inteligente.

O que é meta smart?

A meta smart nada mais é que uma forma de definir uma meta, seja para uma empresa, seja para uma pessoa.

S.M.A.R.T. é um acrônimo em inglês para:

  • S – Especifica;
  • M – Mensurável;
  • A – Atingível;
  • R – Relevante;
  • T – Temporal;

Como é possível perceber, a meta smart tem diversos pontos que devem ser levados em consideração a fim de que seja definida a meta.

Logo que é possível ter maior possibilidade de ser bem sucedido, fugindo de metas amplas, sem métricas e pouco importantes.

Como definir uma meta smart?

Ao definir um objetivo para alcançar é necessário ter alguns indicadores para saber se temos chances de sucesso.

De tal forma que primeiramente é importante focar em ser especifico e definir com clareza qual o objetivo você deseja alcançar.

Em seguida, é necessário estabelecer algum parâmetro para mensurar os resultados.

É importante também procurar entender se a meta desejada é atingível dentro de um histórico de metas e resultados anteriores.

Ao passo que você avançar etapas, você precisará se perguntar a relevância da meta, para saber se realmente é importante para a empresa.

Para finalizar, é definido um tempo para atingir a meta, para que você saiba quando os resultados devem ser obtidos.

Exemplo de META SMART!

Você pode utilizar papel e caneta para fazer as primeiras anotações, e depois passar para uma planilha no computador, ou pode fazer diretamente.

O importante é entender bem como definir a meta e criar uma para cada setor da empresa.

Exemplo:

  • Especifica: Aumentar 10% das vendas;
  • Mensurável: +300/dia vendas;
  • Atingível: média de vendas atuais 100/dia;
  • Relevante: Vender mais aumenta o lucro/margem de investimentos;
  • Temporal: 6 meses;

Neste exemplo você pode notar que há alguns pontos interessantes, mas bem claro do que o setor de vendas deve alcançar.

Aumentar as vendas, tendo um indicador mensurável, dentro de um histórico, com relevância bem definida, e com um prazo para ser alcançada.

 

Ter um plano de ação bem definido te ajudará a alcançar as ações e as metas. Saiba mais sobre o PLANO DE AÇÃO clicando AQUI!

Para Finalizar…

A META SMART é um modelo para gestores e empreendedores a fim de que definam metas de forma inteligente.

Assim, leva em conta todos os aspectos necessários e cria um ambiente mais produtivo porque foca no que é importante.

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp;

Caso tenha alguma dúvida sobre o tema deixe nos comentários, pois, estamos à disposição para responder e ajudar.

Neste artigo vamos explicar melhor o que é gestão de risco e também como aplicar no seu negócio.

Essa é uma forma essencial para você conseguir evitar problemas na sua empresa!

De tal forma que, além de prevenir os riscos, através dessa gestão é possível identificar novas oportunidades para sua empresa lucrar.

No artigo Como Aumentar o Lucro da Empresa em Tempo Recorde também demos algumas dicas para melhor a lucratividade do seu négocio!

Contudo, para começar, é importante entender o que é gestão de risco.

O que é gestão de risco?

A gestão de risco nada mais é do que a capacidade de identificar e prevenir possíveis riscos para o funcionamento da empresa.

Também é possível mitigar o efeito negativo de algumas ações.

Pois é! Através da gestão de risco que o empresário decide tomar as decisões para atingir seus objetivos e calcular possíveis erros que possam acontecer.

Além do funcionamento da empresa, a gestão de risco também analisa as forças ambientais que afetam à empresa.

Assim, evita possíveis problemas que poderiam acontecer tanto no ambiente interno, quanto no ambiente externo da organização.

Bem como a imagem pública da empresa, em casos onde algum problema pode deixar a empresa com uma má reputação no mercado.

Independentemente do tamanho da empresa, a gestão de risco é importante para verificar os métodos e processos.

Por consequência reduzir possíveis falhas para diminuir os riscos.

Agora que você já sabe o que é gestão de risco, é bom entender como aplicar na sua empresa.

 

Como aplicar a gestão de risco?

Para você realizar a aplicação desse método na sua empresa você vai precisar executar alguns processos, que são:

Identificação:

Primeiro você deverá identificar quais os pontos que podem trazer risco para empresa e, assim, entender qual o seu contexto atual como negócio.

Análise Qualitativa:

Nesta etapa você deverá elencar os riscos com o grau de importância e também a possibilidade de acontecer concretamente.

Análise Quantitativa:

Neste ponto você deverá calcular de forma numérica as consequências dos riscos identificados.

Planejamento de Respostas:

Uma vez que você sabe o que pode acontecer, o grau de certeza, e o impacto nos resultados, você vai planejar respostas para os riscos.

Monitoramento:

Para finalizar, você deverá acompanhar o funcionamento da empresa e os riscos identificados. Assim, você pode reavaliar as respostas planejadas.

 

Você pode aprender mais lendo o artigo sobre A Importância da Execução Associada a Análise de Informações clicando nesse AQUI!

 

Agora que você já sabe o que é gestão de risco e como aplicar na sua empresa, mãos a obra!

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com os amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Caso tenha ficado com alguma dúvida deixe um comentário, pois, estamos à disposição para ajudar.

Neste artigo você saberá qual é a importância da gestão financeira em pequenas empresas e como ela pode mudar seu negócio.

A parte financeira da empresa é similar ao sistema respiratório do corpo humano, que se por algum motivo parar, você morre.

Portanto, independentemente do tamanho de empresa que você tenha ou pretende abrir, a parte financeira precisa ser levada a sério e com responsabilidade.

Continue lendo este artigo e entenda:

  • O que é gestão financeira;
  • Como criar um fluxo de caixa;
  • Quando recorrer a um contador;
  • Quando contratar uma consultoria;
  • Como melhorar sua gestão financeira.

 

O que é gestão financeira?

A gestão financeira é o conjunto de conhecimentos aplicados em negócios para gerenciar utilizando todos os recursos financeiros.

Desde a entrada de recursos por meio de vendas até o investimento em matéria-prima e equipamentos.

Por esse motivo não é realizada apenas uma vez, mas sim, de forma contínua para manter as contas da empresa em dia.

Portanto, você precisa começar registrando todos os movimentos financeiros da empresa, tudo o que entra e sai.

Se quiser entender melhor leia nosso artigo somente sobre este tópico que também está no blog, clique aqui.

 

Como criar um fluxo de caixa?

Um fluxo de caixa é uma ferramenta onde se registra todos os movimentos financeiros da empresa

Afim de que todas as compras e vendas realizadas pela empresa, assim como os gastos com funcionários, estejam atualizados.

Você pode criar seu fluxo de caixa em uma planilha no Excel.

Se preferir pode utilizar alguma ferramenta própria para este objetivo, seja online ou somente no seu computador.

Logo, o importante é registrar e acompanhar continuamente como está o fluxo financeiro da sua empresa.

Assim você pode tomar as melhores decisões no momento de investir ou cortar gastos.

Nenhuma informação deve ser deixada de lado neste quesito para não gerar confusão ou até mesmo problemas financeiros para sua empresa.

Se quiser entender melhor, você pode ler outro artigo aqui do nosso blog, Gerenciando o Fluxo de Caixa em 7 passos.

Seguindo estas orientações você será capaz de entender como está a saúde financeira da sua empresa e o que precisa fazer para mantê-la saudável.

 

Quanto recorrer a um contador?

Se você tem uma empresa, seja do tamanho que for, é sempre importante ter um contador para ajudar.

Principalmente para ficar por dentro de quais impostos deve pagar.

Ele será responsável por ajudar em todos os sentidos para que você fique atento sobre todas as obrigações financeiras.

 

Quando contratar uma consultoria?

A consultoria em gestão financeira é importante para qualquer empresa sempre que ela tiver capacidade de investir.

O primeiro ponto positivo é terceirizar parte da sua atenção com este tipo de atividade para que você foque mais no que realmente importa, na sua especialidade.

Desta forma, este reforço pode contribuir para que você consiga focar em vender mais.

 

Como melhorar a gestão financeira em pequenas empresas?

Para melhorar sua gestão financeira hoje, comece criando ou melhorando seu fluxo de caixa como já orientamos anteriormente.

Assim que possível invista em uma consultoria de gestão financeira e tenha mais orientações.

Isso permitirá que você perceba as informações com maior grau de profundidade.

Também procure diminuir ao máximo os seus gastos fixos e aumentar as suas vendas para ter mais margem para investimentos.

Melhore os processos da sua empresa com o objetivo de diminuir o tempo de produção, atendimento ao cliente e entrega dos produtos ou serviços.

 

Se você gostou deste conteúdo sobre gestão financeira em pequenas empresas compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Caso tenha interesse em ter ajuda na gestão financeira da sua empresa entre em contato conosco, estamos à disposição para ajudar.

Vamos compartilhar com você 5 bons motivos para ter uma consultoria empresarial em 2019.

Você vai aprender porque ela vai fazer toda diferença na sua empresa.

Muitas pessoas acreditam que apenas o trabalho duro pode gerar resultados, mas sem inteligência e boas decisões nenhum negócio sobrevive.

Vamos falar dos seguintes motivos:

  • Realizar a gestão financeira;
  • Criar Demonstrativos de Resultado do Exercício;
  • Criar Procedimento Operacional Padrão;
  • Realizar Planejamento de Ações;
  • Conseguir Amadurecimento da Administração.

Quando uma pessoa decide abrir uma pequena empresa e faz tudo, da compra de mercadoria até a venda, é normal saber de tudo o que acontece.

Contudo, para a empresa crescer é necessário ter uma equipe para ajudar na gestão de diversos aspectos, começando pela parte financeira.

Realizar a gestão financeira

Para uma empresa ter bons resultados, ela precisa ter registro de todas as informações importantes, assim como uma boa gestão.

Uma consultoria empresarial vai ajudar neste sentido, sabendo o que é importante registrar e como você vai gerenciar todas estas informações.

Ao passo que indica quais os melhores caminhos para você alcançar seus objetivos de curto, médio e longo prazo.

Como já explicamos anteriormente em:  O sucesso da sua empresa depende da gestão financeira.

Criar Demonstrativos de Resultado do Exercício

Para que você tenha uma boa gestão financeira é fundamental você ter duas ferramentas de controle.

A primeira é o Fluxo de Caixa, que vai projetar todas as entradas (receitas) e saídas (despesas) e ajudar a empresa a se planejar financeiramente.

O outro documento importante para uma boa gestão financeira é o Demonstrativo de Resultado do Exercício, ou simplesmente DRE.

A partir deste documento você terá conhecimento da saúde financeira da sua empresa e fará um planejamento com mais clareza.

Como já explicamos anteriormente em: DRE: O que é, como funciona e como fazer!

Criar os Procedimentos Operacionais Padrão

Além de cuidar das finanças para sua empresa ter resultados é necessário cuidar do funcionamento operacional.

Por isso é importante criar e atualizar os procedimentos operacionais padrão.

Eles vão orientar e esclarecer cada colaborador sobre como deve realizar cada procedimento, quais equipamentos utilizar e quando realizar.

Assim, cada funcionário saberá o que fazer, como fazer e quando fazer cada ação da maneira correta , evitando erros e desperdícios, bem como uso incorreto de equipamentos da empresa.

Como já explicamos anteriormente em:  O que é procedimento operacional padrão?

Realizar Planejamento de Ações

Sabendo como está a saúde financeira da empresa e criando rotinas bem estruturadas, para o próximo passo é necessário ter um planejamento de quais ações a empresa vai realizar.

Se o seu objetivo é ter sucesso nos negócios, é essencial que planeje as ações futuras para criar previsibilidade de resultados.

Correr riscos e investir sem garantias é sempre arriscado, portanto, é importante ter uma consultoria empresarial para acompanhar nesta etapa.

Visto que contribuirá para a criação de um plano de ações prático focado em gerar resultados no curto, médio e longo prazo.

Conseguir Amadurecimento da Administração

As empresas que receberam nossa consultoria tiveram grandes resultados financeiros, ou seja, aumentaram sua lucratividade.

Receber uma segunda visão do seu negócio, partindo de um especialista, ajuda a amadurecer suas escolhas próprias.

É possível aprender muito e investir naquilo que funciona, conhecendo melhor sua empresa e outras formas de gerenciar.

Nós acreditamos que estes são 5 bons motivos para ter uma consultoria empresarial em 2019

Se você gostou do conteúdo compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Caso tenha alguma dúvida ou queria uma consultoria empresarial e financeira entre em contato conosco, estamos à disposição para ajudar.

Muitos empresários sabem que os custos fixos podem ser o grande vilão na gestão, por isso vamos explicar como reduzir os custos fixos na empresa.

Além de realizar vendas e aumentar cada vez mais a receita da empresa é importante focar sempre em reduzir os custos.

Por esse motivo nós vamos compartilhar alguns caminhos para ajudar a economizar e tornar seu negócio mais eficiente.

Conheça muito bem seus resultados!

Primeiramente é importante conhecer bem todos os números envolvidos na gestão.

Quais são as receitas, bem como, quais são os gastos e os investimentos.

Para tanto procure elaborar periodicamente o DRE, demonstrativo de resultado do exercício.

Quando mais completo e detalhado for este documento, mais claro será para você onde deve focar na hora de reduzir os custos fixos do seu negócio.

Conheça bem seus processos!

A segunda etapa para você reduzir custos fixos na sua empresa é focar em conhecer bem todos os processos da sua empresa, da compra até a entrega.

Por esta razão tenha na sua empresa diversos POP, procedimentos operacionais padrão, que são os documentos que detalham cada atividade.

Com estes documentos você poderá gerenciar melhor o funcionamento das atividades da sua empresa e reduzir gastos e desperdícios.

Renegocie os contratos!

O passo seguinte para reduzir seus custos fixos é renegociar os contratos com os fornecedores.

Chame os fornecedores de telefonia, plano de saúde, internet e demais.

Faça cotação também com os concorrentes.

Reúna e solicite uma redução, pois o ganho anualizado é sempre significativo!

Como reduzir custos fixos na empresa?

Agora que nós realizamos os passos essenciais é importante juntar todos eles para de fato reduzir os custos.

Comece analisando o DRE e a partir dele conclua quais custos fixos podem ser reduzidos.

Além disto, caso não tenha os procedimentos operacionais padrão, crie, se já tiver analise e melhore focando no consumo mínimo dos recursos da empresa.

Dicas adicionais!

Além de pensar nos fatores que mencionamos anteriormente, pense também em:

  • Implantar energia solar na empresa;
  • Buscar outras fontes de energia: fazenda solar;
  • Reutilizar a água usada na empresa;
  • Trocar viagens e ligações por Vídeo Chamada;
  • Trocar objetos descartáveis por objetos reutilizáveis.

Se este conteúdo foi interessante para você compartilhe com seus amigos nas redes sociais e no whatsapp.

Caso tenha alguma dúvida ou queira uma ajuda para colocar estas dicas em prática fale conosco, estamos à disposição para ajudar.

Toda empresa existe para solucionar problemas e ter lucro, por esse motivo, vamos explicar como aumentar o lucro da empresa em tempo recorde.

Para começar é importante saber o que é gestão financeira e evitar os principais problemas que levam as empresas a falência.

Inicialmente é relevante recordar que o lucro é o resultado final da empresa, levando em conta o que entrou de receita e o que saiu de despesa.

Como aumentar a receita?

A receita da empresa é o total gerado por ela na venda de produtos e serviços.

Uma forma de aumentá-la é aumentando o mix de produtos e serviços, ou seja, oferecer uma gama maior de opções para seus clientes.

Outro meio de aumentar a receita é a criação de planos de assinatura.

A recorrência seria possível por meio da entrega de um produto regularmente ou prestação de um serviço continuado.

Pode parecer complicado, mas não é! Como por exemplo, uma padaria de bairro pode oferecer um plano mensal para entregar pão quente todos os dias.

Você também pode focar em melhorar a precificação de alguns dos seus produtos, aumentando assim a margem de cada venda.

Colocando estas dicas em prática você terá novas fontes de receita, sem precisar fazer grandes investimentos.

Como diminuir despesas em geral?

Para começar você pode observar e analisar na sua empresa quais as fontes de desperdício e focar em resolvê-las.

Há recursos de uso regular, como energia, água, café, por exemplo, que no longo prazo podem diminuir consideravelmente o seu lucro.

Ferramentas obsoletas ou com mau funcionamento também podem prejudicar os resultados da empresa.

Um equipamento que não funciona direito e precisa de manutenção constante aumenta o custos da empresa.

E uma ferramenta obsoleta em geral demanda mais tempo para gerar o mesmo resultado, por isso, evite perder tempo e mantenha-se atualizado.

Outro ponto que pode ser sempre melhorado é a capacitação dos colaboradores.

Um funcionário mal treinado ou sem comprometimento pode prejudicar o desempenho do negócio.

Quanto melhor e mais rápido ele produzir, mais clientes você pode atender, ganhando eficiência e aumentando sua lucratividade.

Como aumentar o lucro da empresa?

Pode perceber ao longo do artigo que há dois meios para você aumentar o lucro da sua empresa em tempo recorde.

O primeiro foco é aumentar a arrecadação, por meio de vendas mais variadas, regulares ou com melhor precificação.

O outro caminho que pode ser trilhado em paralelo é diminuir os gastos em geral.

Para isso vimos que é necessário diminuir desperdícios, custos com manutenção e melhorar a capacitação dos colaboradores.

Pode parecer complicado e complexo fazer essas e outras alterações em uma empresa, mas na realidade não é.

Focando em apenas ajustar a empresa e deixá-la a mais enxuta possível, sua performance garante uma lucratividade maior.

Caso ainda tenha dúvida e queira uma ajuda, entre em contato conosco, estamos à disposição para ajudar.

Se este conteúdo te ajudou e você conhece algum amigo que pode se beneficiar também, compartilhe.

Você já imaginou viajar e deixar sua empresa funcionando somente com os funcionários? O Procedimento Operacional Padrão pode ajudar.

Muito além de ajudar você a ter algumas férias ao longo do ano, o POP é capaz de melhorar e manter a qualidade de tudo na sua empresa.

Primeiro vamos entender o que é esse POP.

O que é Procedimento Operacional Padrão?

O Procedimento Operacional Padrão ou simplesmente POP é um documento que detalha todos os procedimentos operacionais para execução de uma determinada atividade.

Há diversos tipos de POP, mas você poderá começar com um geral que descreve todos os outros.

Existe também um para cada área da empresa com as diversas atividades que você realiza.

Podemos concluir então que este documento será como um guia para seus funcionários trabalharem da mesma forma, evitando erros por pular ou esquecer etapas necessárias dentro de um processo.

Qual Procedimento Operacional Padrão você pode criar?

Como já mencionamos anteriormente você pode criar diversos tipos de POP para sua empresa.

O primeiro deve ser o geral, onde você vai descrever todas as atividades da empresa e as áreas, citando no documento qual o POP correspondente.

Logo em seguida você pode criar um POP para descrever como manusear os equipamentos, visando o uso correto e evitando manutenções desnecessárias ou até mesmo acidentes de trabalho.

Além destes dois há inúmeros outros como:

  • POP analítico: descreve como analisar os resultados da empresa;
  • POP metódico: descreve o método de produção da empresa;
  • POP de segurança: descreve como manter a segurança;

Podendo variar de acordo com as necessidades da empresa. Focando exatamente em manter a qualidade e o padrão, ou seja, evitando desperdícios e erros.

O que um POP deve ter?

Para você elaborar um bom POP é importante levar em conta alguns pontos como, por exemplo:

  • Título do POP
  • Data de Elaboração
  • Atividades descritas.
  • Documentos de referência.
  • Local de aplicação.
  • Fluxograma.
  • Roteiro completo das atividades.
  • Autor.
  • Responsável.

Estes elementos são essenciais para que um funcionário em treinamento ou que executa uma atividade rotineira siga sem problemas.

Portanto, é importante ressaltar que este documento deve ser objetivo e claro, sendo simples para qualquer colaborador aplicar.

Em caso de dúvida o nome do responsável pelo documento e contato deve constar para ser consultado se necessário.

Para concluir, imagine que todas as ações desde a limpeza até os telefonemas para clientes sejam padronizadas, você poderá tirar suas férias e sua equipe saberá exatamente como fazer cada atividade.

Se este conteúdo te ajudou compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no WhatsApp.

Caso tenha alguma dúvida ou deseja criar o Procedimento Operacional Padrão na sua empresa entre em contato conosco.

O Demonstrativo de Resultado do Exercício ou como é mais conhecido DRE consiste num relatório para manter a saúde financeira da sua empresa.

Se você ainda não entende a importância dele ou não sabe do que estamos falando este artigo vai te ajudar muito.

Lembrando que para ter um bom resultado financeiro na sua empresa e poder usufruir dos seus ganhos é necessário saber o que pode ou não usar do seu caixa.

Caso você ainda não faça com regularidade o acompanhamento do seu fluxo de caixa, ou não tem um, nós já falamos dele aqui.

Agora vamos entender melhor como o DRE pode ajudar sua empresa.

O que é DRE?

Dentro de contabilidade o DRE é o Demonstrativo de Resultados do Exercício.

Em outras palavras, é uma ferramenta utilizada para apurar os resultados financeiros de um determinado período.

O período pode variar de acordo com a necessidade, mas precisa ser elaborado obrigatoriamente uma vez por ano.

Este relatório terá informações como receitas, despesas, investimentos, custos e provisões.

Portanto é possível analisar a formação dos resultados líquidos da empresa, ou seja, o lucro.

Exatamente por este motivo o DRE também é conhecido como ARE, apuração de resultados do exercício.

Como funciona o DRE?

As normas que definem o DRE são bem restritas e devem ser seguidas a risca, sendo necessário evitar variações dos padrões estabelecidos.

Por este motivo para realizar uma apuração mais exata do lucro é necessário especificar os ganhos, custos, despesas e perdas.

O relatório deve ser feito respeitando o regime de competência, ou seja, quando o registro aconteceu e não quando a ação foi realidade.

Em outras palavras, se você registrou o pagamento ou recebimento de um determinado valor, mas não pagou ou recebeu de fato.

Como fazer um DRE?

Um DRE tem uma sequência de cálculos prévios que deve respeitado, independente do segmento ou porte da empresa.

Inicialmente você deve começar com o registro do valor de todas as vendas brutas, retirando deste as devoluções ocorridas, os abatimentos e/ou descontos e os impostos sobre vendas.

Em seguida deve subtrair os custos dos produtos e/ou serviços, resultando assim no chamado lucro bruto.

Do lucro bruto são retirados todos os outros valores como despesas operacionais, administrativas, gerais e/ou financeiras.

Logo após é acrescentado às receitas e despesas não operacionais, para se calcular o lucro (ou prejuízo) operacional líquido.

Por fim chegamos ao lucro (ou prejuízo) líquido do exercício.

Para concluir…

O DRE é uma ferramenta que vai te auxiliar você a entender como o lucro da sua empresa foi gerado.

É importante realizar pelo menos uma vez por ano, seguindo uma sequência determinada de cálculos.

Todos os registros, entradas e saídas, devem ser levados em consideração no momento de fazer o DRE.

Se você ficou interessado em montar você mesmo um DRE, mas ainda tem dúvida, deixe nos comentários, pois estamos à disposição para ajudar.

Lembre-se de compartilhar com os amigos que precisam deste conteúdo nas redes sociais, e Whatsapp.

Neste artigo vamos explicar em detalhes como evitar o fechamento da sua empresa, por motivos de erros na hora de gerenciar suas finanças.

Portanto, vamos listar quais os principais erros cometidos no momento de cuidar da movimentação financeira da sua empresa.

Para começar é importante entender que muitas empresas são iniciadas mais por necessidade, do que por vocação ou formação escolar.

Em decorrência deste motivo, muitas pessoas não aprenderam técnicas e métodos na faculdade ou curso profissionalizante para lidar com o dinheiro de forma saudável.

Não é nenhum pecado ter uma empresa sem conhecimento, mas é sempre bom aprender um pouco mais sobre o assunto.

Quais os principais erros cometidos por empreendedores pequenos?

Não acompanhar a movimentação financeira!

Quando você inicia um negócio e tem poucos clientes é fácil armazenar tudo o que aconteceu na sua própria memória.

Sabendo o que entrou e saiu de dinheiro, quais produtos venderam e quem comprou.

Contudo, na medida em que sua empresa cresce é necessário se profissionalizar em todos os aspectos.

Na hora de acompanhar a movimentação financeira não é diferente, por isso comece criando um fluxo de caixa.

Ter um registro de tudo o que aconteceu vai te permitir ter clareza sobre a saúde financeira da sua empresa.

Misturar contas pessoais com as contas empresariais!

Este erro é bem comum em micro, pequenas, e até empresas de porte médio.

Ao misturar suas contas pessoais com as contas empresariais você estará comprometendo o futuro da sua empresa.

Ela assim como você precisa de recursos para continuar funcionando. Ao consumir seu capital de giro, por exemplo, com gastos pessoais, sua empresa perde.

A mistura também causará maior dificuldade para entender o que realmente é necessário e o que não é.

Sem esta clareza, na hora de realizar cortes e tomar medidas mais severas não saberá por onde começar.

Manter custos de funcionamento muito altos!

No momento que a empresa cresce é comum investir em novos serviços e produtos, para ter mais qualidade.

Porém, é importante sempre saber qual a necessidade de tais gastos, para não se tornar um grande elefante branco e não conseguir manter o funcionamento.

Diminuir gastos fixos, e variáveis é sempre essencial para o bom funcionamento da sua empresa.

Não acompanhar os vencimentos dos pagamentos!

Este erro é bem comum e pode prejudicar bastante o funcionamento da sua empresa ao longo do tempo.

Portanto, saber exatamente quais os dias dos seus vencimentos e manter todas as contas pagas é fundamental.

Para evitar uma medida mais drástica como empréstimo para pagar dívidas, procure ter sempre uma reserva financeira para emergência.

De preferência tenha esse planejamento em dia, com datas e quais contas precisam ser pagas.

Como evitar o fechamento da sua empresa?

Para concluir, para evitar o fechamento da sua empresa por motivos financeiros, tenha clareza.

Procure acompanhar toda a movimentação financeira da sua empresa, evite misturar suas contas pessoais com as contas empresariais, reduza sempre que possível seus custos de funcionamento e planeje todos os pagamentos.

Seguindo estes passos você conseguirá ter mais controle da sua empresa e evitará o seu fechamento.

Se este conteúdo foi interessante para você compartilhe.

Para tirar suas dúvidas fique à vontade para deixar um comentário, que nós responderemos.

Se você tem uma empresa, sabe que é importante fazer gestão financeira e manter tudo em dia.

Algumas pessoas até acreditam saber o que é, mas na hora de por em prática não sabe por onde começar.

Porém, se você não sabe o que é gestão financeira, então está no lugar certo.

Vamos explicar em detalhes o que é e como fazer o gerenciamento das suas finanças.

O que é gestão financeira?

A gestão financeira engloba diversas ações no que diz respeito à captação, manutenção e administração de recursos financeiros da empresa.

Não basta saber o que está entrando e saindo de dinheiro todos os dias na sua empresa, você precisa organizar as finanças para ter sempre os melhores resultados.

Estas ações podem contribuir na tomada de decisão na compra de novos recursos, matéria-prima, produtos, etc.

Bem como, a venda de recursos que não são necessários ao funcionamento da empresa.

Uma boa gestão financeira começa pelo fluxo de caixa, mas se não souber como fazer leia este aqui:

Como fazer gestão financeira?

No orçamento familiar é necessário anotar tudo o que ganha e tudo o que gasta, é necessário ter uma reserva de segurança.

Na empresa não é diferente, é necessário criar sempre uma reserva de segurança, para passar por fases de poucas vendas, por exemplo.

Levando em conta que o foco sempre é ampliar a lucratividade da empresa, por esse motivo:

Na hora de comprar.

  • Compare preços de fornecedores;
  • Peça por descontos sempre que possível;
  • Faça pagamento à vista com desconto;
  • Evite fazer parcelamentos de longo prazo;
  • Anote e revise todos os investimentos;

Na hora de vender.

  • Venda produtos complementares para aumentar o lucro;
  • Adicione bônus à oferta e evite descontos;
  • Incentive a compra à vista para gerar caixa;
  • Aplique taxa as compras parceladas;
  • Anote e revise todos os ganhos;

Além de manter a empresa vendendo cada vez mais é importante focar na liquidez, ou seja, ter dinheiro em caixa, disponível para qualquer emergência.

Bem como, manter a empresa funcionando regularmente, com todos os pagamentos em dia, evitando multas e outros encargos.

Esperamos que este conteúdo tenha ajudado a deixar o assunto claro para você, qualquer dúvida basta enviar nos comentários.

Se você tem amigos que também tem dificuldade para gerenciar as finanças da empresa compartilhe este artigo com ele, nas redes sociais.

Os custos de uma empresa interferem diretamente no valor de seus produtos e serviços. Como consequência disso, o lucro também é afetado. Por isso a redução de gastos é tão importante para a sobrevivência do seu negócio. Afinal, quanto menor for o seu custo, menor será o seu preço e maior será a quantidade de clientes. Neste artigo você vai entender a importância dessa estratégia para uma organização.

A primeira pergunta que devemos fazer antes de seguir para o assunto principal do artigo é: você sabe o que são custos?

Eu sei, a resposta parece meio obvia, mas muita gente confunde custos com investimento. Contudo, esses dois conceitos são diferentes. O custo se refere aos gastos diretamente ligados a execução de um serviço ou produção de uma mercadoria, ou seja, esses gastos são indispensáveis para o funcionamento da produção. Enquanto o investimento se refere a um gasto extra que, nem sempre, é essencial para a execução do serviço.

Agora que já fizemos essa breve introdução, vamos direto ao ponto.

Por que a redução de custos é importante?

Como já falamos na introdução deste artigo, o custo de produção da sua empresa interfere diretamente no preço das suas soluções. Afinal, como já vimos em outro post, as suas despesas são cruciais para precificar a sua mercadoria. Por isso, quanto maiores forem os seus gastos, maior será o preço do seu serviço e em um mercado tão competitivo, ter preços altos não é vantajoso. Afinal, o que chama a atenção dos consumidores são, justamente, os pequenos preços.

Portanto, a redução de custos te ajudará a reduzir os seus preços. Dessa forma você terá uma enorme vantagem perante seus concorrentes. Além disso, o seu faturamento, o seu lucro e os seus resultados aumentará proporcionalmente.

Você ainda tem dúvidas de que essa estratégia é importante para a sua empresa? Reduzir os seus gastos só trará vantagens. Contudo, essa redução deve ser feita de forma cautelosa e profissional para não afetar a qualidade ou a produtividade do seu negócio. Pensando nisso, nós, aqui da Algaris, preparamos algumas dicas para reduzir os gastos corretamente.

Dicas para reduzir os seus custos

1) Análise dos custos

O primeiro passo para reduzir os seus custos é, justamente, conhecê-los. Caso você faça uma boa gestão financeira já terá o levantamento de todos esses dados. Contudo, caso ainda não faça, registre todas as suas contas e gastos. Fazendo isso será muito mais fácil identificar o que tem exigido mais capital. Além disso, também será possível reconhecer quais gastos não são necessários para o funcionamento da sua produção.

2) Fluxo de caixa

Já falamos em outro artigo sobre fluxo de caixa. Ele é extremamente importante para evitar imprevistos financeiros. Afinal ele facilita a administração e a gestão do seu negócio.

3) Otimização dos setores

Quando um setor não produz com a sua capacidade máxima alguns gastos extras acabam sendo necessários. Isso porque, quando as ações não são bem executadas você pode precisar de mais horas, mais funcionários, energia e etc. Por isso, otimizar os setores da sua empresa e deixar tudo funcionando perfeitamente pode significar mais economia para você.

Nosso post sobre capacidade instalada é perfeito para te ajudar com essa etapa.

4) Controle do estoque

Ter um grande volume de estoque não é vantagem para ninguém. Afinal, os produtos em estoque são considerados um capital inativo, além de também significarem perda de dinheiro. Por isso é tão importante controlar o seu estoque para reduzir custos. Compre somente o necessário para manter as vendas da sua empresa. Dessa maneira você evita perder mercadoria e capital.

5) Redução de consumo

Os gastos com energia elétrica, telefonia, internet e água podem até parecer pequenos para empresas. Contudo, uma pequena redução de consumo em cada uma dessas contas pode representar uma economia considerável.

6) Gestão financeira

Uma gestão financeira bem feita tem como consequência uma grande redução de custos, além da melhora nos resultados. Isso porque quando gerenciamos corretamente os nossos recursos conseguimos identificar os gastos desnecessários e aquilo que merece mais atenção. Por isso, se a sua intenção é economizar e melhorar os seus resultados não pense duas vezes antes de contratar uma empresa para te ajudar.

Conclusão

Reduzir os custos é indispensável para um empreendimento, afinal, ao cortar os custos desnecessários você terá mais capital, melhores preços e poderá investir mais para crescer a sua organização.

Contudo, todas essas vantagens só são possíveis quando o corte desses gastos for feito corretamente. Até porque, diminuir os custos de produção e ter queda na qualidade do produto não é bom nem para você e nem para os clientes. Não adianta ter preços bons se a sua mercadoria apresentar queda de padrão.

E aí? Nosso artigo foi útil para você? Esperamos que você tenha aprendido com este texto. Para continuar recebendo nossos textos, não se esqueça de acompanhar o nosso blog.