março 2019

Pode parecer complicado e muito desafiador, porém, aprender como calcular o capital de giro é essencial para a sua empresa ter saúde financeira.

Exatamente por este motivo, nós decidimos compartilhar com você uma forma de calcular o capital necessário para operação do seu negócio.

Contudo, primeiro é importante entender a real necessidade do capital de giro.

 

O que é capital de giro?

 

O capital de giro é uma reserva de capital necessário para manter as funções básicas da empresa.

Ou seja, essa reserva de capital permitirá que a empresa opere normalmente.

Podemos incluir principalmente os custos de infraestrutura como, por exemplo: água, luz, aluguel, internet, etc.

Não só esses custos, mas também leva-se em conta também o pagamento dos funcionários e fornecedores.

Diferente de outras reservas financeiras que também podem ser investidas, o capital de giro deve estar disponível sempre que houver despesas a serem pagas.

Há uma diferença básica entre o capital de giro e o capital de giro líquido.

O capital de giro é o total necessário para manter a empresa funcionando.

Já o capital de giro líquido diz respeito ao total que você tem disponível em conta.

 

Como calcular o capital de giro?

 

O capital de giro é exatamente o mesmo valor da soma de todas as despesas essenciais da empresa, assim como já mencionamos anteriormente: infraestrutura, funcionários e fornecedores.

Já o capital de giro líquido é calculado com base no valor disponível em conta para o pagamento das despesas.

 

A fórmula é exatamente assim:

 

Capital de Giro Líquido = (Ativos Circulantes) – (Passivos Circulantes).

Os ativos circulantes são basicamente o valor que já tem disponível, bem como o valor que tem previsto para receber.

Os passivos circulantes são as despesas previstas para o período que está calculando.

Assim, sabendo estes dois valores, é possível calcular o capital de giro líquido.

Além de saber quanto será necessário acrescentar de tal forma que mantenha a empresa funcionando, no caso em que as despesas forem maiores do que a receita atual e prevista.

 

Para Concluir…

 

É importante manter a saúde financeira da sua empresa em dia.

Por este motivo, sempre calcule o capital de giro e saiba exatamente o que precisa pagar e quanto tem para receber.

Além de ter com você o fluxo de caixa para organizar todas as entradas e saída de recursos financeiros.

Você também pode elaborar um DRE para entender melhor o estado atual da sua empresa e planejar ações futuras baseado no histórico.

Se você tem alguma dúvida sobre este tema deixe nos comentários, estamos a disposição para responder e ajudar.

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Além de realizar vendas e gerenciar a parte financeira da empresa, é igualmente importante fazer a gestão de estoque.

É muito mais do que ter um controle do que a empresa tem ou não armazenado.

A gestão de estoque pode contribuir para economia da empresa e sua saúde financeira.

Ao passo que qualquer desperdício por falta de controle e gestão pode ser um grande prejuízo para o negócio.

Por este motivo, é importante entender o que é a gestão de estoque e como aplicar de forma eficiente na sua empresa.

O que é Gestão de Estoque?

É popularmente conhecida como controle de inventário ou almoxarifado.

A gestão de estoque é a regulagem dos insumos que serão utilizados pela empresa na sua produção.

Além de manter um controle informatizado, a gestão zela para que exista uma eficiência na compra, armazenamento e uso dos insumos.

Este controle é fundamental para melhorar o desempenho financeiro da empresa, evitando desperdício e compras desnecessárias.

É importante lembrar que a experiência do usuário final com a empresa não pode ser prejudicada, evitando assim a compra de materiais sem qualidade ou armazenamento incorreto que possam comprometer a usabilidade.

Também é necessário ter estas informações disponíveis sempre que necessário para a contabilidade da empresa ou algum quesito legal.

Como realizar uma gestão de estoque eficiente?

Pode parecer simples o processo de controle do que entra e sai do inventário, mas há muitos fatores que podem comprometer a eficiência do seu estoque.

Por esta razão, é necessário seguir alguns passos importante para ser realmente eficiente.

Comece realizando o acompanhamento de toda a cadeia de suprimentos da sua empresa.

Você pode fazer isso por um software ou por aplicativos no próprio smartphone.

Nos dias atuais, é possível saber onde determinado pacote está e você poderá antever possíveis problemas na entrega e resolver rapidamente.

Em seguida, procure identificar pontos de ineficiência dentro do armazém da empresa que podem comprometer sua produtividade.

Eliminando qualquer tipo de problema que possa diminuir a vida útil dos suprimentos ou comprometer sua integridade, como por exemplo:

  • Data de validade, ambiente com temperatura incorreta ou com infiltrações.

Invista também na criação de um processo de compra que leve em consideração as necessidades da empresa e sua demanda.

Caso tenha um modelo de negócio sazonal, planeje a compra maior ou menor de acordo com a sazonalidade para evitar perca de insumos por compra excessiva.

Se tiver dúvida sobre como implementar este tipo de ação, leia nosso artigo sobre Procedimento Operacional Padrão.

Em resumo, acompanhe as compras de insumos, elimine possíveis pontos de ineficiência, planeje de acordo com a demanda da empresa.

Além disso é importante ter um processo claro para compra, armazenamento e uso dos suprimentos.

 

 

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com seus amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Caso tenha alguma dúvida a respeito deste tema deixe nos comentários, estamos à disposição para responder e ajudar.

Empresários novatos e até mesmo empresários com mais experiência cometem erros, por isso, hoje vamos falar dos 3 principais erros de pequenas empresas.

A melhor parte de conhecer os principais erros é aprender a lidar com eles e evita-los quando necessário.

 

Continue lendo e entenda:

  • Os 3 principais erros de pequenas empresas;
  • As 3 principais soluções;
  • Dica Extra: Como evitar problemas previamente;

 

Lembrando que mesmo tendo cometido alguns dos 3 principais erros você pode solucionar o seu caso.

Uma vez que isso te permitirá também aprender muito com o ocorrido.

 

Os 3 principais erros de pequenas empresas!

O primeiro grande erro de pequenas empresas é a falta de documentação das suas atividades.

É comum encontrar micro e pequenas empresas que, ao começar as atividades, não tem a menor noção de que precisam registrar as movimentações.

O segundo grande erro de pequenas empresas é a falta de planejamento das ações.

Pode parecer estranho, mas muitos empresários praticam a célebre frase da música do Zeca Pagodinho: “Deixa a vida me levar”.

Sem a menor compreensão de como definir uma meta, como planejar ações ou organizar as atividades a fim de que atinja um objetivo futuro.

O terceiro grande erro das empresas é cometido por empresários com vidas atribuladas.

No caso, misturam finanças pessoais com as finanças da empresa.

Sendo assim necessário muitas vezes pegar empréstimos para fechar as contas da empresa.

Bem como acabam criando uma bola de neve financeira.

Agora que já sabemos os 3 principais erros de pequenas empresas, vamos focar na solução para cada caso.

 

As 3 principais soluções!

Entenda a sua empresa e registre todas as atividades possíveis e toda a movimentação.

Este é o primeiro passo para você ter o mínimo controle do seu negócio.

Após registrar tudo, invista algum tempo para planejar os próximos meses da sua empresa, posto que o foco deve ser em um resultado que deseja alcançar.

Defina uma grande meta, depois quebre em objetivos menores e, por final, quais atividades são necessárias para atingir cada objetivo.

Assim você terá um mapa até o seu pote de ouro, que pode ser uma empresa operando no azul ou ter mais lucro no final do período que você definir.

O mais importante é procurar não confundir as finanças pessoais com as finanças da empresa.

Logo, tenha um pró-labore, ou seja, uma quantidade fixa que você receberá por mês da sua própria empresa, como uma espécie de salário.

Você pode aumentar ou diminuir o valor de acordo com a lucratividade, mas procure ser equilibrado e não gastar mais do que pode pagar, principalmente no começo.

Lembrando que quanto mais você investir na sua empresa para gerar resultados, mais você poderá receber no futuro.

Seguindo estes passos você estará evitando boa parte da dor de cabeça de empresários iniciantes e até experientes.

 

Dica Extra: Como evitar problemas previamente!

Para você evitar problemas com antecedência é importante entender muito bem sobre o funcionamento de uma empresa.

Por isso é importante que você procure se educar cada vez mais sobre seu modelo de negócios e pesquisar histórias de empreendedores como você.

Aprenda mais lendo também o nosso artigo sobre GESTÃO DE RISCO.

Conhecendo a história de outras pessoas você poderá tirar ótimas lições do que pode acontecer de ruim e conseguir evitar.

Além disto, você pode contratar uma empresa focada em gestão de finanças para ajudar você a identificar todos os erros que está cometendo e também auxiliar no planejamento e treinamento.

Se você gostou deste conteúdo compartilhe com os amigos nas redes sociais e também no Whatsapp.

Caso tenha alguma dúvida deixe nos comentários, pois estamos à disposição para responder e ajudar.