agosto 2018

Uma das principais dúvidas dos pequenos e médios empreendedores é como estabelecer a precificação dos seus produtos ou serviços. Afinal, saber o preço certo nem sempre é fácil, mas calma, nesse artigo falaremos algumas dicas e fórmulas que sem dúvida alguma te ajudarão a precificar corretamente.

Antes de saber como precificar seus produtos ou serviços corretamente, entenda por que ela é tão importante.

Por que a precificação é importante?

O preço adequado e correto pode melhorar os seus resultados e aumentar, consideravelmente o seu lucro. Além disso também garante que você não tenha prejuízo e tenha recursos em caixa.

Ou seja, a precificação pode ser a sua fonte de crescimento financeiro ou a sua queda, tudo depende da sua qualidade. Sendo assim, aprenda conosco como definir o preço certo para as suas soluções.

Como precificar corretamente

1) Conheça suas despesas

É claro que você precisa ter preços atrativos, mas o mais importante é não sair no prejuízo. Por isso tenha em mente todas as suas despesas para que o faturamento seja capaz de cobrir os seus custos. Dessa forma você não ficará no vermelho.

Sendo assim, antes de definir o preço dos seus produtos, tenha o registro de todas as contas e despesas da sua empresa, tanto as fixas, quanto as extras.

2) Avalie o mercado

A sua precificação deve ser compatível com o mercado. Isso quer dizer que você deve avaliar se os seus preços estão abaixo ou acima do que é feito pelos seus concorrentes. Essa etapa é essencial para ter uma noção do que já está sendo feito e para conferir se você realmente está no caminho certo.

3) Defina a margem de lucro almejada

Essa é uma etapa muito importante, afinal, ninguém quer um negócio que apenas cubra os seus custos, todo mundo quer obter lucro.

Para ajudar nesta etapa utilizamos o mark-up, ou seja, um índice que é aplicado sobre o custo de um produto ou de um serviço para a formação do preço de venda, mas vamos deixar isso para o próximo artigo.

O importante é saber que lucro acontece quando o faturamento sobressai os custos e despesas da empresa, por isso é tão importante definir as despesas antes de definir quanto de lucro você quer ou deve ter.

Vale ressaltar que aumentar os preços não significa necessariamente aumentar o lucro. Preços extremamente altos afastam os clientes o que também acaba te deixando no prejuízo. Defina uma margem de lucro que seja o suficiente para manter o seu negócio e atrair os seus clientes. Tenha como base o mercado, como já falamos acima.

4) Ouça os seus consumidores

Ouvir o consumidor é, sem dúvidas, a fonte do sucesso de qualquer negócio. Afinal, sem o consumidor a sua empresa não sobrevive. Portanto, para fazer a precificação das suas soluções faça uma pesquisa com seus potenciais clientes e veja quanto eles estão dispostos a pagar pelo produto oferecido.

5) Fique atento ao valor agregado

A precificação não se limita aos números. O preço ideal também deve ser definido com base no valor agregado a marca ou produto.

Analise o mercado, a sua concorrência e identifique o seu posicionamento. Para ter um bom valor agregado a sua empresa, você precisa satisfazer o seu cliente e mostrar que as suas soluções são feitas com qualidade. Feito isso, alinhe o preço, o valor da marca, a sua margem de lucro e todos os outros passos citados acima.

6) Sempre se atualize

O mercado muda o tempo todo e com ele também muda a precificação ideal. Por isso, nunca deixe de atualizar todas as suas informações, desde o lucro ao valor agregado. Desse modo você estará constantemente avaliando se os seus preços estão dentro do preço ideal para que o seu negócio seja sempre um sucesso.

Com esse controle você terá a garantia de crescimento do seu negócio.

Conclusão

Para precificar corretamente o seu serviço ou produto você precisa, sobretudo, pensar no equilíbrio. Você precisa equilibrar todos os pontos e etapas de modo que seja vantajoso para você e para os consumidores que buscam a sua empresa. Pode parecer difícil, mas é mais fácil do que você pensa e, sem dúvidas, traz resultados inegáveis.

Se interessou pelo assunto? Leia mais clicando aqui.

Caso você seja um empreendedor e deseja melhorar os resultados e a produtividade? Então leia sobre capacidade instalada.

Você já ouviu falar sobre capacidade instalada? Esse é um dos termos mais importantes para melhorar a produtividade de uma empresa. No entanto, pouca gente sabe o seu significado e para o que ela serve. Se você também não sabe o que é capacidade instalada, continue lendo este post para tirar todas as suas dúvidas.

O que é capacidade instalada e para que ela serve?

Capacidade instalada é, basicamente o limite de produção de um setor, empresa ou fábrica. Ou seja, é a medição da capacidade de produção. É mais simples do que você pensava, não é mesmo?

Ter acesso a essa medição é extremamente importante já que, através dela você consegue saber se a sua empresa ou setor está produzindo com total capacidade. Além disso, também é crucial para a tomada de decisões e melhorias em todo o setor de produtividade.

Agora que você já sabe o que é e para que serve, vamos ao fator mais importante: como calcular.

Passo a passo para calcular a capacidade instalada

 

1º passo: produção por tempo

O primeiro passo é calcular quantas unidade são produzidas dentro de um certo tempo. O tamanho do produto também deve ser considerado nessa etapa. Os produtos maiores devem ser medidos em horas, enquanto os menores são medidos em minutos.

2º passo: cálculo do tempo produzido

Logo depois de ter calculado a produção por hora você deve calcular utilizando a carga horária. A partir desse cálculo você chegará ao ritmo de produção.

A conta é simples, basta você  multiplicar a jornada de trabalho, pelos itens produzidos por hora. Por exemplo, se por hora a sua empresa produz 500 itens, em uma jornada de 8 horas ela deve produzir 4000 itens.

A partir desse resultado você pode identificar se o seu ritmo de produção está dentro da sua capacidade total ou se precisa de melhorias.

3º passo: potencial de produção

Após descobrir a produção real da sua empresa você precisa conhecer e descobrir a sua potencial produção, ou seja, a sua total capacidade.

4º passo: intervalos entre a produção

Ninguém consegue produzir por 8 horas seguidas sem que interrupções sejam necessárias. Por isso você também deve medir as paradas que ocorrem durante a produção. Some as obrigatórias e as não programadas, faça uma média e calcule o tempo improdutivo e o período produtivo.

5º passo: taxa de eficiência

O último passo é dividir a produção realizada pelo potencial de produção. O resultado obtido já é, basicamente, a sua taxa de eficiência. No entanto, o resultado da sua capacidade instalada deve ser dado em porcentagem. Sendo assim, após chegar ao resultado da divisão, basta multiplicá-lo por 100.

Se a sua empresa estiver utilizando menos de 100% da sua capacidade, você pode e deve aumentar a sua produção e fazer melhorias, seja no maquinário ou nos setores específicos.

Passo a passo para calcular a capacidade instalada

Conclusão

A capacidade instalada é extremamente importante para uma empresa ou indústria. É a partir dela que o gestor terá acesso a capacidade real de produção de um setor ou de todo o negócio. Calcular a capacidade de produção é crucial para definir corretamente o planejamento estratégico de uma empresa. Afinal, você verá mais facilmente os problemas existentes e a partir deles você poderá pensar e planejar melhorias para obter melhores resultados.

Agora que você já sabe tudo sobre capacidade instalada, confira também o nosso post sobre gestão financeira.

Leia mais sobre o assunto desse post, clicando aqui.

A gestão financeira é o que mantém uma empresa funcionando, afinal, todo o desenvolvimento de um negócio começa pelo planejamento. Além disso, um planejamento financeiro evita que você seja surpreendido com problemas no seu capital. Esses são apenas alguns fatores que comprovam que o sucesso da sua empresa depende de um bom gerenciamento financeiro. Para entender ainda mais, continue lendo o post.

A importância da gestão financeira

A gestão financeira é o que faz o seu negócio sobreviver e, logo após, alcançar o sucesso. Isso porque, através de uma gestão bem feita, você conseguirá controlar o seu fluxo de caixa e acompanhar rigorosamente tudo o que ocorre na sua empresa.

Além disso, a importância da gestão do capital vai ainda além. Por meio dela é possível aumentar o seu lucro. Sim, é isso mesmo! Isso acontece porque a sua empresa passará a usar os recursos da forma correta para diminuir os desperdícios e potencializar os resultados.

A sua importância não para por aí, ao organizar bem as suas finanças e utilizar os seus recursos da maneira certa você direciona e canaliza o capital para o que realmente precisa, o que também impulsiona a sua empresa, já que permite que você faça investimentos vantajosos.

No entanto, tudo isso só ocorre quando a sua gestão financeira é feita de forma correta por profissionais que entendem tudo sobre ela. Não adianta investir na gestão se ela não for feita adequadamente. Por isso, escolhemos te dar algumas dicas para que você chegue ao caminho certo.

Como gerir corretamente o meu capital?

1) Identifique e registre todos os seus custos

Esse é o passo primordial, pois, não tem como fazer uma boa gestão financeira sem ter em mente todos os custos da empresa. Sendo assim, mapeie os seus custos separadamente. Faça uma pequena listagem ou planilha dos custos fixos que você tem por mês como água, luz, telefone e etc. Feito isso, anote os seus custos extras ou variáveis, ou seja, aqueles que variam de mês para mês.

Isso é importante, porque é a partir daqui que você conseguirá ver onde os seus recursos estão sendo investidos.

2) Conheça e administre o seu fluxo de caixa

Já falamos sobre o fluxo de caixa em outro post. Se você já leu, então provavelmente já sabe que é ele quem controla a entrada e saída de capital do seu caixa. Sendo assim, é praticamente impossível fazer uma boa gestão financeira sem gerenciar e organizar corretamente o seu fluxo de caixa. O ideal é que você atualize os registros e dados do fluxo de forma frequente, seja diário, semanal ou mensal. Desse modo você terá um controle total do capital presente no seu caixa, saberá se o saldo está negativo e, consequentemente, conseguirá se adiantar perante possíveis problemas.

3) Separe o capital particular do capital da empresa

Um dos erros mais comuns é misturar o capital particular com o capital da empresa. Para um bom planejamento e uma boa gestão financeira você precisa evitar essa ação. Por isso separe os dois caixas desde o início do seu empreendimento.

4) Aposte em softwares de gestão

Usar a tecnologia para gerir o seu sistema financeiro sem dúvida é uma ótima opção e tornará a sua gestão mais rápida, fácil e segura. Afinal, não é de hoje que a tecnologia está a nosso favor.

5) Aprenda sobre gestão ou contrate algum especialista

Embora possa até parecer fácil para algumas pessoas, a gestão financeira requer conhecimentos específicos. Já que, quanto mais o responsável pela gestão dominar o assunto, maiores serão as suas vantagens. Além disso, um especialista também se mantém atualizado em relação as ferramentas e conceitos. Você ainda tem dúvidas de que contratar uma empresa especialista em gestão pode ser a melhor saída?

Conclusão

Para que uma empresa funcione bem e se mantenha no mercado é necessário ter uma boa gestão financeira. De nada adianta vender bem, obter lucros, ter uma empresa funcionando se o capital não está sendo direcionado e gerenciado da maneira certa, afinal, tudo em uma empresa gira em torno do seu caixa.

E aí, gostou do nosso conteúdo? Fique atento ao nosso blog para receber as melhores dicas sobre consultoria e gestão.

O fluxo de caixa é algo extremamente importante para controlar e gerenciar o financeiro da sua empresa. Afinal, é ele quem controla a entrada e saída de dinheiro. Um fluxo de caixa bem feito pode ser a chave de sucesso do seu negócio. Uma vez que ele trará mais organização e facilitará a sua administração. Por isso nós resolvemos te ajudar a gerenciar o seu fluxo de caixa da melhor maneira possível, continue lendo e veja como.

Gerenciando o seu fluxo de caixa

1º passo – Registre tudo!

O seu fluxo deve ter exatamente todas as informações das suas finanças. Registre tudo que você gastou ou recebeu, independente do valor. Organize por categorias e anote separadamente. Somente desse modo você conseguirá ter o real controle do seu financeiro detalhadamente.

Vale ressaltar que esse processo não deve ser feito apenas uma vez. Pelo contrário, ele deve ser constantemente atualizado para ser o espelho das suas finanças.

2º passo – Escolha o período de análise

Para que o seu planejamento comece do modo certo, você precisa delimitar um período de análise. Não existe um padrão, você deve escolher aquele que mais funciona para a sua empresa. Seja ele diário, semanal ou mensal, o importante é, como dissemos acima, manter os registros sempre atualizados. Ao estabelecer o espaço a ser analisado, você conseguirá ver qual é o melhor e o pior momento para a sua empresa.

Além disso, atualizar os dados do seu fluxo de caixa constantemente permite que você se antecipe e se planeje, ou seja, você evita ser pego de surpresa e consequentemente você garante a segurança da sua gestão financeira.

3º passo – Categorize todas as suas despesas

Anote todas as despesas que a sua empresa possui. Registre separadamente as despesas com fornecedores e as receitas. Dessa maneira ficará mais fácil identificar tudo que o seu negócio ainda tem de débito. Categorize tudo, separe as despesas de acordo com as suas particularidade e datas. É preciso que você saiba exatamente de onde veio, de quando é e quanto vai gastar. Essa é a melhor maneira de se planejar e não ser pego de surpresa com uma despesa caindo de paraquedas no seu colo.

4º passo – Organizar e gerenciar o estoque

O estoque é o capital imobilizado da sua empresa, ou seja, não traz rendimentos e nem juros. Entretanto, investir demais no estoque pode diminuir, consideravelmente o seu capital de giro. Para que você consiga ver o que realmente está ou não está precisando, é necessário organizar perfeitamente o seu estoque. Eu sei, parece estranho que o estoque tenha uma ligação direta com o fluxo de caixa. Pois é, mas tem, sabe por que? Porque isso irá evitar que você invista dinheiro em algo que não te trará nenhum lucro.

5º passo – Não foque apenas no curto prazo

O fluxo de caixa é um planejamento que ajuda a sua empresa não só a curto prazo, mas a longo prazo também. Afinal, como já falamos, ele permite que você tenha uma previsão do que está por vir, evitando incertezas. Ou seja, através dele você pode se preparar para diversos acontecimentos e analisar diferentes possibilidades. Por isso, não estipule e categorize somente as despesas do momento, vá além, categorize as despesas do mês e estabeleça uma base de saldo. Feito isso e com base no resultado do final do mês, faça o seu planejamento de curto e longo prazo para ajudar no crescimento financeiro do seu negócio.

6º – Use um software de gestão

Nós já sabemos que a internet pode e deve ser uma aliada. Isso não seria diferente no fluxo de caixa. Esses sistemas são a forma mais segura de gerenciar o seu fluxo. Não, eu não estou dizendo que você não pode fazer isso a mão, com planilhas e afins, mas além de dar mais trabalho, também será mais propício a erros. Os sistemas facilitam o seu controle.Por isso, usar um software sem dúvida vai deixar a sua vida mais prática e rápida, além de oferecer uma gestão extremamente eficiente e confiável.

7º passo- Contrate uma empresa especialista

Pode até parecer fácil, mas se você não possuir os conhecimento necessários possivelmente não fará do modo certo. Sendo assim, se você deseja um fluxo de caixa bem feito para te ajudar a controlar as suas finanças e alavancar o seu negócio, então você realmente precisa contratar um profissional. Desse modo você irá garantir que tudo será feito do jeito certo. Além disso, também será muito mais cômodo e prático para você. Passar esse bastão para quem sabe, vai te dar mais tempo para cuidar de outras questões tão importante quanto.

Concluindo

O segredo para gerenciar o fluxo de caixa de forma correta é a disciplina, afinal, você precisa registra exatamente tudo que envolva as finanças da sua empresa. Pode ser um processo árduo e cansativo, mas sem dúvida te trarão incontáveis vantagens e muito mais controle sobre a administração da sua empresa, desde que tudo seja feito da forma correta, é claro.

E aí, gostou do nosso post? Espero que as nossas dicas tenham te ajudado afinal, é para isso que estamos aqui. Se quiser saber mais sobre fluxo de caixa, continue acompanhando o nosso blog para ter acesso a mais textos.